Se chorei ou se sorri...

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

O importante é que emoções eu vivi! 

Ok, isso foi uma piadinha. Por mais que eu seja fã do RC, não fico cantando Emoções por aí. A verdade é que passei o dia de ontem cantando as músicas que o YouTube alemão não me disponibiliza em links: Sorrindo Para Mim, De Que Vale Tudo Isso e Você Deixou Alguém a Esperar, entre outras. Sim, isso é alegria. Quando eu começo a cantar RC Jovem Guarda, por mais dor de cotovelo que seja, é alegria. 

Quando saí de casa no sábado, o povo no Brasil só sabia falar de Beyoncé, eu tava me preparando pra encontrar as chuvas e trovoadas no sul da Alemanha pra ver um show do Die Prinzen e a casa miserável do Ludwig II, também conhecida por Neuschwanstein, isso sem falar na possibilidade de encontrar o próprio falecido e mentalmente são rei. A Gastmutter disse que há quem tema ir lá em dias de tempestades porque o adorável rei pode aparecer. Bom, não vi chuva, não vi o Ludwig e levei uma mochila à toa (já que levei só pela capa de chuva), mas tudo bem, a vida ainda é linda e maravilhosa. Vejam a meiga cidade em que fui parar pra ver os príncipes de Leipzig. Fui recepcionada por um cisne no meio de montes de patos. Não me digam que não era o Patinho Feio porque era ele, acreditem vocês ou não. 











Sim, Allgäu é a região dos leiteiros, ao que parece. 

Essa vaca tem até nome (esqueci) e tem por intenção
lembrar dos benefícios do leito. Meigo, não?

Tem um muro cercando toda a cidade de Isny. 


Olha o Patinho Feio. 


Das lambretas espalhadas pela Alemanha. 




Pois vamos às partes emocionantes.Fui pro hotel, deitei um pouco e ouvi Creedence até a bateria do meu laptop acabar (sempre me lembro de seres que acham que são inteligentes ao dizer que o vocalista do Creedence Clearwater Reviseted é melhor do que o John Forgety, é simplesmente absurdo). Às 17h eu sai, comprei um bretzel e fui pra onde seria o show (demorava 5 minutos - a cidade é um ovo, e não só por ter um muro oval). No meio do caminho vi que tinha esquecido a bandeira do Brasil. Voltei. Cheguei lá e não tinha ninguém. Dei mais uma volta no parque e ficava indo e voltando. Parei pra sentar e... lá veio Henri Schmidt, um dos Die Prinzen. OHGOTT! Pedi pra tirar uma foto com ele, ele pediu quem bateria, um senhor fez essa gentileza. Em seguida o Henri (leiam como quiser, tudo que quero que saibam é que não é fácil falar isso com o sotaque alemão, tem um piá de 10 anos que tá querendo me ensinar, mas não tá fácil) saiu correndo. Entrei em choque. 

Conversei mais um pouco com o senhor e (deduzo) a esposa dele. Ela me contou da emoção dela quando, num show, um dos Rolling Stones passou e encostou no braço dela. Eles acharam divertidíssima minha emoção. Depois eles foram embora e eu fiquei lá andando de cá pra lá pensando: "Putamerda, eu acabo de conhecer um dos caras do Die Prinzen. De verdade. Eu tô na Alemanha e conheci um dos caras do Die Prinzen". Cheguei a conclusão de que o melhor jeito de me acalmar era tomando uma cerveja local. Nova surpresa: entrei no café e passei pelo Matthias (um dos dois instrumentistas, ele toca de tudo, menos bateria, pra isso tem o Ali), seguido de quem, de quem? Do Wolfgang Lenk. Ele já tava indo embora quando eu pedi encarecidamente pra bater uma foto. E lá estava o senhor de novo. DOIS PRINZEN. Eu conheci dois Prinzen! Precisei mesmo de meio litro de cerveja. 

Henri

Wolfgang


Quando comecei a ver sinais de gente com camisetas do Die Prinzen, apressei minha degustação de cerveja (que estava lenta, levando em conta meu estado de emoção). Descobri que onde eu achei que seria a entrada, não era. Dei a volta e já havia meia dúzia de pessoas na fila. Tirei minha bandeira do bolso e coloquei no ombro. Alguém na rua passou e gritou Brasil! (isso, Brasil, não Brazil, não Brasilien, Brasil), os alemães não entenderam o grito, tive que explicar. 

Às 19h permitiram a entrada. O show começaria em uma hora. Tive que mostrar meu visto (felizmente o levei) para provar que eu tinha 21 anos, o segurança não queria acreditar. Pulseirinha preta no pulso (a amarela era pros menores de idade) e a Ana subiu correndo as escadas pro palco. Basicamente ninguém lá. Comprei mais uma cerveja e me instalei na frente do palco. Resolvi ir no banheiro antes de aumentar o movimento. Fui e voltei, meu lugar continuava lá. E aí o tempo começou a passar devagar e eu já tava tendo um piripaque nervoso. Putamerda, eu tô mesmo na Alemanha! 

20h. Die Prinzen é apresentado e eles entram. Foi tão, mas tão lindo! Quando eu vi eu tava chorando. De verdade. Tanto é que alguém me cutucou no ombro pra me dar um lencinho de papel. Sério. Eles estavam a um metro de mim, se tanto. Um show acústico como  DVD que eu vi milhões de vezes. Vi o Sebastian cantando Ich schenke dir die Welt, o Tobias fazendo todo mundo balançar os braços em Unspektakulär e o Jens cantar a nova Locker bleiben (algo como Fique tranquilo!) olhando pra mim. TODOS eles olharam pra mim. Mas também como não olhariam pra uma guria com a bandeira do Brasil tendo um surto ali na frente deles?

Aliás, como a bandeira tava do lado direito, o Jens não podia ver. Quando o Tobias reparou na bandeira, enquanto o Sebastian falava algo ou começava uma música, ele cutucou o Jens e apontou pra mim. Tive que mostrar a bandeira. Foi tão... tão lindo. Por uma noite eles souberam da minha existência! Mas ainda foi melhor. Por umas duas vezes o Tobias falou no Brasil antes de falar que o Jens cantaria. Não entendi direito se o Jens já foi pro Brasil ou se pretende ir. Falaram em Copa do Mundo e tudo mais. Não fizeram qualquer referência a mim, mas azar, foi lindo igual. 

Eu queria dar uma porção de detalhes, mas não tem como. Vamos direto pras fotos (prometo caprichar nas legendas). Lembrando: não tem nada de zoom aqui: eu tava mesmo perto. Foi até difícil tirar foto de todos juntos no final. E, não, eu não chorei o show todo. Só no começo. Depois em comecei a rir que nem uma boc'aberta até o fim. 

Playlist

Tobias cantando "Wer ist der Typ?"


/
Vale uma observação aqui. Em "Mein bester Freund", quem canta diz que seus melhores amigos são Robin Hood e Sherlock Holmes, por exemplo, amigos que lutam pela justiça e tal. Aí, numa hora, diz: "Todos os meus amigos estão mortos então eu tenho que lutar pela justiça". Bom, na parte em que eles cantam que todos os amigos estão mortos, eles pararam, as luzes diminuíram e o pessoal ia aplaudir quando o Sebastian disse: "Vocês não escutaram? Todos os amigos estão mortos! Um minuto de silêncio, por favor." O pessoal riu mais, o Sebastian sorriu e disse: "Por favor, tenham consideração. Não sejam ruins. Todos os amigos mortos, já pensaram nisso?". Quando eles conseguiram algum silêncio, voltaram a cantar.


"Bombe" com acordeon, como no DVD. *-*



"Gabi und Klaus 2.0" Vinte anos depois do hit
do casal que diz que a vida é horrível. 


"Angst, dass du gehst"

Jens com "Wo bin ich wenn ich schlafe?"

"Überall"

Porque afinal a gente não está sozinho...

O cosmos nos dá sinal disso. 





"Mann im Mond"

Sebastian com "Ich will dich haben"

Eu sempre achei tão linda essa música no DVD...



"Es war nicht alles schlecht"

"Locker bleiben"

Dancinha e tudo mais. 

"Millionär"


"Deustchland"


Primeira despedida do palco.

Olha o Tobias querido me olhando. Todos
me olharam queridos assim. 

Segunda saída do palco. Dessa vez a foto saiu melhor.

Pra encerrar "Ich schenk dir die Welt".
No fim do show encontrei os senhores que bateram as fotos pra mim. Como o pessoal organizador disse que podíamos ficar bebendo depois, lembrei do Vagão e achei que o pessoal do Die Prinzen poderia aparecer pra dar um oi. Comprei uma cerveja e logo depois o cara que falou pós-show apareceu pra falar com os senhores (era mesmo uma cidade grande, vejam). Pedi pra ele se tinha chance de eu falar com o Die Prinzen. Ele me disse onde eles sairiam. Esperei, esperei, seguranças vieram falar comigo. Um pra pedir porque eu estava com a bandeira do Brasil, o outro nem falou comigo, só me viu lá muito chocada e puxou a própria boca em forma de sorriso em sinal de que eu deveria me animar. Aliás, esse último foi o que resolveu vir me pedir porque eu tava lá sozinha e, quando eu expliquei, me avisou que eles já tinham ido embora a tempos.

Fui pro hotel numa cena altamente fotográfica (pena que meus paparazzi não estavam lá): manga curta numa noite cinza, num ombro a bandeira do Brasil, segurando por cima do outro o casaco. O cenário: cidade vazia e Ana sozinha na rua. Foi lindo. Isso eram umas 22h45. Cheguei no hotel, fui no banheiro (coisa que queria fazer desde antes do show - acho que mais ansiedade do que qualquer coisa - e que não fiz depois porque tava mesmo com esperança de vê-los), deitei e fiquei pensando: "Isso não pode ser real. Dois sábados seguidos incríveis. E eu vi tão de perto Die Prinzen depois de tanto ter visto o DVD. Não pode ser real, acho que morri e não sei. É sorte demais pra um ser só. Se eu estou mesmo viva, devo ter feito algo de bom, afinal, pra merecer tudo isso. Não peço mais nada."

Ah, mal dormi. Acordei, tomei café da manhã e fui dar mais uma olhada na cidadezinha que recebeu pela primeira vez (e depois de muito esforço) o Die Prinzen e que me fez tão bem. As fotos seguem:


Vista da janela do meu quarto.



A passagem no muro.

Tchau, Patinho Feio.




E, enfim, fui a caminho de Füssen. Mas já foi tanto pra um post só, que acho que vou deixar pra contar de domingo mais adiante.

Agora, me digam, tenho ou não sorte nessa vida?

Bis bald!

2 comentários:

Erica Ferro disse...

OH MEU DEUS! O post mais meigo de todos os posts feitos aqui até agora! E só podia ser sobre Die Prinzen.
Você me apresentou a esses caras e, velho, eu aprendi a gostar deles também. São verdadeiramente talentosos, queridos e divertidos.
Devo, MESMO, ter sido uma noite inesquecível.
Sim, você é mesmo uma pessoa de sorte! Você está na Alemanha! E tudo aí é tão bonitinho!
Eu estou apaixonadíssima pela parte arquitetônica do país.
PUTAMERDA, TCHÊ, que cara mais fofa que fez o Tobias numa das fotos, na qual olhava diretamente pra você. Ohn, muito, muito querido! *-----------*

Sim, invejo-te! =D hahaha

Pandora disse...

Acho que esse foi um fim de semana incrível para todos!!! O mundo esteve mais alegre!!! Também vivi mil aventuras e me senti muito, muito, muito abençoada!!!

E sim, ver você se rendendo ao lirismo de Hans Christian Andersen não tem preço! Ai de quem disser que aquele não era o Patinho Feio.